Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diario de uma emigrante

Um blog, de auto-ajuda, criado para partilhar a minha experiencia de vida e o meu dia-a-dia. Contado na primeira pessoa, enquanto emigrante, na Republica da Irlanda, desde 2005.



Quarta-feira, 14.08.13

Uma questao de mentalidades!

Contratamos uma babysitter.

Chama-se Paula. Ate no nome tivemos sorte.

Primeiro porque e um nome que nao da para errar, quer chamemos, com pronuncia portuguesa ou inglesa. ihihihih

Depois porque e um nome facil para o T. chamar, devido aos seus problemas da fala.

Mas como o meu irmao e Paulo, ele ja estava habituado ao nome.

A menina tem 15 anos e e irma de uma coleguinha (mais nova) do J.P.

Foi uma feliz coincidencia (ou nao!) visto ter sido, uma senhora irlandesa, muito simpatica, que ma indicou.

Deu-me o numero da mae. E liguei-lhe a pedir para falar com ambas pessoalmente, ca em casa.

Quando chegaram, a Sra. reconheceu, de imediato, o J.P., da escola da filha mais nova. E fez logo questao de mencionar que sabia quem era o meu marido. Uma vez que se lembrava de ele ir levar e buscar o J.P., na escola primaria.

Demonstrou um alivio, que para ser sincera ate me surprendeu. Talvez, porque saber que nao estava com completos estranhos a deixou mais tranquila. Presumo.

Comecei por lhe explicar, que ela nao teria que tomar conta do J.P. Mas que ele seria a ponte que ela precisaria para entender e falar com os bebes.

Ao J.P. expliquei-lhe que ela seria a ajuda que ele precisaria para tomar conta dos irmaos. Isto na presenca da mae e filha. Tudo em Ingles.

Foi a forma, a meu ver genial, que encontrei de colocar a ''questao'' chamada J.P.

Ja sabia que ela tinha experiencia em tomar conta de 4 meninas.

Expliquei-lhe que seria por 2 horas ( das 19 as 21 horas) todas as Sextas- feiras. Perguntei-lhe quanto me cobraria.

Tudo acertado.

Mas havia um pequeno problema, que foi o iniciar da conversa entre mim, a mae e a Paula.

As mentalidades.

O facto do J.P. ter 14 anos e a Paula 15.

Nao queria que existisse um conflito cultural e eu fazia de questao de esclarecer esta situacao.

Tenho uma primita de 15 anos, tambem.

Este ano, nao fui a aldeia e sabia que nao iria. Por isso, pedi que deixassem vir a menina, passar uma semana, ao Porto.

Nao a deixaram.

Todos os anos estao juntos, nas ferias grandes.

Alegadamente, tinham medo que alguma coisa pudesse acontecer entre os dois. Claro que situacoes destas acontecem, e nao vamos negar esse facto. Mas tambem podem acontecer com outros meninos (no caso dela) e com outras meninas (no caso dele).

Tendo eu assistido a este tipo de mentalidade, nao queria mal entendidos, com a Mae da menina!

Perguntei-lhe entao o que achava de estarem os dois, SOZINHOS, na mesma casa, por 2 horas, todas as semanas.

Esta Mae, direcionou o seu olhar, para a filha e perguntou-lhe:

-''O que dizes Paula? Sentes-te confortavel, com a situacao?''

-''Eu sinto!''

-''Pronto, Carla. Aqui tem a minha resposta.''

Aprendi mais naquele minuto, do que talvez muitos dos meus familiares e amigos nunca cheguem a aprender.

Aquela mae, confiava no julgamento e nas atitudes da filha!!!

Eu tinha acabado de ter uma enorme garantia de que os meus 3 filhos iriam estar bem entregues.

Como era a primeira vez, ficamos os primeiros 20 minutos.

Em seguida, foram os 4 brincar para o jardim.

Avisamos os dois: J.P. e Paula.

Saimos.

Tinhamos avisado que iamos so a praia, ao pe de casa. Sao uns 3/4 minutos de carro. Se fosse necessario, voltariamos, num abrir e fechar de olhos.

As 20:00 horas ligamos para ver como estavam... todos.

-''Carla, NAO houve choros!''- fez questao de me dizer a Paula.

As 21:00 chegamos.

Tinha sido maravilhosa, aquela hora e meia!

Eu e o maridao passeamos e namoramos na praia. Sentamo-nos na areia. Conversamos sobre tudo. Ficamos tambem, em silencio e abracados, a olhar para o mar. Foi relaxante. Foi OPTIMO!!!

Quando chegamos, estavam ja os bebes a janela, a nossa espera. Desceram do sofa e correram para a porta. Receberam aquele xi- coracao, como so a mae e o pai sabem dar.

Depois, foi a vez do J.P. e da Paula dizerem como correu tudo bem.

Foram novamente os 4 para o jardim.

A mae da Paula veio busca-la, tal como ja a tinha vindo trazer.

Fez questao, que assim fosse!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diario de uma emigrante às 13:35


4 comentários

De Dulce a 14.08.2013 às 15:26

Frutos maravilhosos q iram trazer essas 2/horas por semana....;)

De Diario de uma emigrante a 14.08.2013 às 16:05

Espero que sim. Mas mais do que isso, SINTO que farao toda a diferenca no decorrer do ano. Principalmente no Inverno! Em que ambas sabemos o que e e como e...;) Beijinhos e Obrigada pelo miminho.

De Anónimo a 14.08.2013 às 15:05

Uahhhhh. ......nao entendo essa das mentalidades. Ou melhor...entendo....mas nao acredito que a tua prima nao tenha vindo da aldeia...por isso..enfim....ainda bem que correu bem

De Diario de uma emigrante a 14.08.2013 às 16:14

Aprendi a ver o lado bom do que acontece. Sempre tem um lado bom. O J.P. por nao estar com a prima acabou por reforcar lacos de amizade com um amiguinho. Esse facto, fez com que fosse dormer um fim de semana a casa dele. Fez com que viesse para casa a dizer que os pais do G. eram tal e qual como o pai e a mae!!! Fez com que ele percebesse que nos, nao somos diferentes de muitos outros pais. Acho mesmo, amiga, que sentiu que era tao amado como o seu amiguinho, o G. Tudo isto criou uma natural aproximacao entre mim e essa mae. Mais uma seguidora deste blog. Beijinhos O. E para ti Amiga, um enorme beijo e um humilde obrigada ( mais uma vez!)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2013

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031